FILIPE QUARESMA portuguese music for solo cello CD / 2014 SPA FQ - 1 - 2014
Ricardo Ribeiro_OSTINATI for cello & live electronics (2010) 1st phonographic release / 1ª edição fonográfico
RICARDO RIBEIRO | (1971-) Ricardo Ribeiro was born in Aveiro on 30th January 1971. After having graduated in Composition at Lisbon Higher School of Music, supervised by Christopher Bochmann and António Pinho Vargas, he took the Course of Alto Perfezionamento Musicale (Composizione) in Italy for the two years after. The course was coordinated by the composer Franco Donatoni. Between 1998 and 2002, he carried out his composition and investigation work in Paris with the composer Emmanuel Nunes, who has been since then a crucial influence on his creative path. In addition he participated in different courses directed by the composers Magnus Lindberg, Philippe Manoury, Tristan Murail, Salvatore Sciarrino, Jonathan Harvey, Brian Ferneyhough, among others. In 2003 he became master in Esthétique et Pratique des Arts by the University of Nice-Sophia Antipolis, supervised by Antoine Bonnet. At the moment he is working with the same supervisor on a PhD thesis entitled Dimensions complémentaires constitutives du temps. Throughout his artistic and academic path, he was awarded different scholarships such as Scholarship for Artistic Improvement by Fundação Calouste Gulbenkian (1997 a 2001) and PhD Scholarship by FCT. His pieces have been ordered by several European institutions and directed by conductors such as Beat Furrer, Guillaume Bourgogne, Pedro Neves, among others.
dedicated to Filipe Quaresma Commissioned by Filipe Quaresma and Quinta das Bageiras Live-electronics software development by Gilberto Bernardes Premiered (without electronics): Porto, 9 October 2010, Suggia Festival, Casa da Música by Filipe Quaresma Ostinati (2010) represents a change of direction in the composer's work: a turn that incorporates previously rejected elements, guided under a greater freedom, in the sense that it suffers less from the denial of material and solutions than from the meeting of musically sufficient ideas in order to create one sound identity. The material found in the origin of the score is, therefore, quite concise. Like other works from Ricardo Ribeiro, if the thought associated to the electronic processing is present since the first moment, it is true that the instrumental part lives by itself as an autonomous piece. This phenomenon doesn’t work both ways: the electronic is only possible as a factor that improves the original idea, sometimes even recreating it, according to the notes which date from the elaboration of the instrumental part. The idea that each performance consists in a unique piece is, in Ostinati, taken a step further, since the electronic program was designed with some characteristics of randomness concerning to the degree of microtonality's range and overlapping of elements closer or furthest in time, which can be triggered in certain sections. The same electronic works as an orchestration of a particella, adding the microtonality and enhancing the timbre. The persistence of ideas and gestures is a metaphor of the idea of repetition, a presence that is increasingly evident in the last works of the composer. The repetition that in Intensités (2001) happened at the harmonic level, is present in Ostinati at a much more immediate level, in the movement, in the heights, in the continuous manifestation of strength which simultaneously transmits serenity. Diana Ferreira (translated by Catarina Janeiro)
RICARDO RIBEIRO | (1971-) Nasceu em Aveiro a 30 de Janeiro de 1971. Após a conclusão do Curso de Composição na Escola Superior de Música de Lisboa, sob a orientação de Christopher Bochmann e António Pinho Vargas, realizou, nos dois anos subsequentes, em Itália, o Curso de Alto Perfezionamento Musicale (Composizione), coordenado pelo compositor Franco Donatoni, obtendo o grau de Mestre em composição. Entre 1998 e 2002, prosseguiu o seu trabalho de composição e investigação, em Paris, com o compositor Emmanuel Nunes, que surge, desde então, como influência determinante no seu percurso criativo. Participou ainda em diferentes cursos dirigidos pelos compositores Magnus Lindberg, Philippe Manoury, Tristan Murail, Salvatore Sciarrino, Jonathan Harvey, Brian Ferneyhough, entre outros. Em 2003, obteve, na Universidade de Nice-Sophia Antipolis, sob a orientação de Antoine Bonnet, o grau de mestre em Esthétique et Pratique des Arts. Prepara, actualmente, com o mesmo orientador, uma Tese de Doutoramento intitulada Dimensions complémentaires constitutives du temps. Ao longo do seu percurso artístico e académico, foram-lhe concedidas diferentes bolsas, das quais se destacam a Bolsa de Aperfeiçoamento Artístico da Fundação Calouste Gulbenkian (1997 a 2001) e a Bolsa de Doutoramento da F.C.T. As suas obras têm sido encomendadas por diversas instituições europeias e dirigidas por maestros como Beat Furrer, Guillaume Bourgogne, Pedro Neves, entre outros.
dedicada a Filipe Quaresma Encomenda: Filipe Quaresma e Quinta das Bageiras Assistente informático: Gilberto Bernardes Estreia (sem electrónica): Porto, 9 Outubro 2010, Festival Suggia, Casa da Música por Filipe Quaresma Ostinati (2010) representa uma mudança de direcção no trabalho do compositor: uma curva que integra elementos anteriormente rejeitados, orientando-se sob uma maior liberdade, na medida em que vive menos da negação de material e de soluções do que da reunião das ideias musicalmente suficientes para que se crie uma (id)entidade sonora. O material que se encontra na génese da partitura é, portanto, bastante sucinto. À semelhança do que acontece noutras obras de Ricardo Ribeiro, se o pensamento associado ao processamento electrónico se encontra presente desde o primeiro momento, facto é que a parte instrumental vive por si só, constituindo uma peça autónoma. O inverso não se verifica: a electrónica só é possível como factor que exponencia a ideia original, por vezes mesmo recriando-a, de acordo com as anotações que datam da elaboração da parte instrumental. A ideia de que cada execução consiste numa peça única é, em Ostinati, levada um pouco mais longe, já que o programa electrónico foi concebido com algumas características de aleatoriedade no que respeita ao grau de amplitude da microtonalidade e à sobreposição de elementos mais próximos ou mais afastados no tempo que, em determinadas secções, poderão ser espoletados. A mesma electrónica funciona como a orquestração duma particella, acrescentando microtonalidade e avolumando o timbre. A persistência de ideias e gestos é uma metáfora da ideia de repetição, aspecto que tem marcado presença cada vez mais evidente nas últimas obras do compositor. A repetição que em Intensités (2001) acontecia no plano harmónico, em Ostinati está presente a um nível muito mais imediato, no gesto, nas alturas, na constante ocorrência de uma força que transmite simultaneamente serenidade. Diana Ferreira